O estado de conservação pouco favorável de ambas as espécies-alvo deve-se à diminuição do número de indivíduos, à presença de espécies invasoras, à redução da qualidade do habitat circundante e à falta de consciência/conhecimento sobre a relevância destas espécies nos objetivos globais de conservação da biodiversidade. A Direção Regional do Ambiente e a AZORINA, S.A., beneficiários coordenador e associado do projeto, possuem a experiência e estrutura necessárias ao cumprimento dos objetivos propostos, nomeadamente através do reforço dos habitats nativos, redução de ameaças e sensibilização ambiental, procurando a sustentabilidade das populações naturais a longo-prazo.

Para alcançar o objetivo principal, mantendo também um equilíbrio adequado de custo-eficácia e uso adequado do Programa LIFE, os trabalhos de conservação estão focados em todos os sítios da Rede Natura 2000 onde ocorrem as espécies-alvo nas ilhas do Faial, Pico e S. Jorge. Desta forma, cooperamos diretamente com os objetivos da Diretiva Habitats e da Estratégia da Biodiversidade da UE, assim como para a implementação do PAF (Quadro de Ação Prioritário) para a Rede Natura 2000 nos Açores, executando ações de conservação in situ e ex situ para as espécies prioritárias e restaurando habitats através do controlo de espécies exóticas invasoras e a plantação e estabelecimento de outras espécies nativas.

O LIFE VIDALIA está ainda ligado ao Jardim Botânico do Faial, uma vez que será no Viveiro de Plantas Raras que serão criados protocolos de propagação das espécies-alvo e produzidas as espécies endémicas para restauro ecológico das áreas de intervenção.

 

Últimas Notícias

Green Week 2019

Novo núcleo de Lotus azoricus na área de intervenção da Fajã das Pontas

Sessão prática com parceiros

Próximos Eventos
Não existem eventos disponíveis