Objetivos

De uma forma sumária, as ações previstas no âmbito do projeto LIFE VIDALIA deverão ter como principais resultados:

  • Melhorar o estado de conservação das espécies endémicas Azorina vidalii e Lotus azoricus, ambas listadas no Anexo B-II da Diretiva Habitats e consideradas prioritárias para a conservação, em três das nove ilhas dos Açores;

 

  • Reforço substancial das populações das espécies-alvo nas ilhas do Faial, Pico e São Jorge, aumentando os efetivos populacionais de Azorina vidalii em mais de 200% e de Lotus azoricus em mais de 400%;

 

  • Melhoria da capacidade para dar resposta às necessidades de conservação no arquipélago através do alargamento e adaptação do viveiro de plantas raras, que, findo o projeto, deverá continuar a produzir plantas para as seis restantes ilhas Açorianas, desenvolvendo e registando ainda métodos/soluções passíveis de replicação;
  • Sensibilização para a promoção de mudanças comportamentais, direcionada à população em geral e a diversas entidades, incluindo, por exemplo, escolas, ONG’s, Organizações do Terceiro Setor, ou agentes turísticos, promovendo o envolvimento ativo da população nas necessidades de conservação do arquipélago.

 

  • Melhoria das condições dos habitats para expansão das espécies-alvo e redução das ameaças (através da plantação de flora nativa e da redução da flora invasora a 0% dos números atuais de indivíduos adultos, bem como da redução em 75% do número de roedores);

 

  • Reforço do conhecimento técnico disponível para replicação, incluindo um novo protocolo de propagação do Lotus azoricus, métodos novos e mais seguros para o controlo de roedores em áreas naturais, bem como a criação de novas linhas de orientação para o controlo eficaz de sete espécies de flora que integram o TOP 100 das espécies invasoras da Macaronésia (Aptenia cordifolia, Tetragonia tetragonoides, Drosanthemum floribundum, Cyrtomium falcatum, Tamarix africana, Osteospermum fruticosum e Cynodon dactylon);